QUANDO OS AVÓS VIRAM PAIS DOS NETOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest

QUANDO OS AVÓS VIRAM PAIS DOS NETOS

Às vezes a decisão é tomada mediante um acordo amigável. Outras vezes, é o resultado de uma amarga batalha judicial. E os avós acabam ficando com a guarda dos netos.

Diz o ditado que os avós são pais duas vezes. Há casos, porém, nos quais essa expressão deixa de ser um eufemismo para se tornar quase que literal. É o que ocorre, por exemplo, quando os avós ficam com a guarda dos netos, ou até mesmo com o poder familiar sobre os filhos de seus filhos. Às vezes, a decisão ocorre mediante um acordo amigável. A mãe ou pai responsável pela criança não está em condições de criá-la sozinha e compartilha a guarda com os avós. Outras vezes, a realidade é bem mais dolorosa. Os avós recorrem à justiça para reivindicar a guarda – ou, em alguns casos, o poder familiar – porque o comportamento dos pais está colocando em risco a integridade de seus filhos.

Há muitos aspectos a serem considerados nessa delicada questão. Uma situação que ocorre com certa freqüência é a de pais que deixam os filhos com os avós e, anos depois, reaparecem exigindo seus direitos sobre as crianças. Situação semelhante aconteceu a M, mãe de um cantor popular. O artista tinha um filho, que criava sem a ajuda da mãe biológica da criança. Com a morte do pai, a guarda do menino ficou com a avó M. Algum tempo depois, a mãe biológica reapareceu exigindo a guarda do filho. A disputa se arrastou nos tribunais, até que, por decisão do Supremo Tribunal de Justiça, a guarda ficou com a avó – no entender dos juízes, essa era a solução que melhor atendia aos interesses da criança.

Outro exemplo foi o que, ocorreu com o menino I., que tem mãe brasileira e pai morador em Taiwan.Ele foi criado pela mãe no Brasil até que, após a morte dela, passou a viver com a avó materna. O pai também faleceu, e seus parentes ficaram com o garoto, no exterior. O que se seguiu foi uma batalha judicial internacional. Por fim, a guarda do menino foi concedida à avó materna, pois os laudos psicológicos indicaram que o garoto não estava adaptando à vida no país de origem do pai.

Mas, é claro, nem sempre os avós estão com a razão. Há casos de avós que solicitam a guarda dos netos sob a alegação de que possuem uma situação financeira melhor do que a dos pais das crianças. Ora, o Estatuto da Criança e do Adolescente diz, em seu artigo 23, que a falta ou a carência de recursos materiais não constitui motivo suficiente para a perda ou a suspensão do poder familiar. Ou seja, mesmo que os avós estejam amparando economicamente os netos, isso não constitui motivo válido para pleitear a guarda das crianças.

Por outro lado, caso os pais ou responsáveis pelos menores os impeçam de vê-los devido a desavenças familiares, os avós podem recorrer à justiça reivindicando o direito de visitar os netos. Esse é um aspecto da legislação que nem todos conhecem, mas que pode evitar uma série de angústias para os avós – e para os netos também.

Ivone Zeger é advogada especialista em Direito de Família e Sucessão, Membro Efetivo da Comissão de Direito de Família da OAB-SP, autora dos livros “Herança: Perguntas e Respostas” e “Família: Perguntas e Respostas” – da Mescla Editorial – www.ivonezeger.com.br