Judiciário na era digital: petições pela internet

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest

Petições pela internetOs tribunais superiores já aderiram ao progresso eletrônico. Facilidade para os advogados, que já podem interpor petições ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), por meio da via eletrônica com certificação digital.
É o processo virtual, que certamente virá em breve a ser adotada pelos demais tribunais do país. Está na hora de acabar com a papelada e os entraves dos arcaicos procedimentos em autos costurados, que dificultam o acesso das partes e exigem cada vez mais espaço físico para arquivamentos temporários ou definitivos.
A tramitação das petições eletrônicas pode ser acompanhada on-line pelo usuário credenciado sem a necessidade de petições escritas em papel. Depois do envio da petição ao Judiciário, o sistema gera um relatório que pode ser impresso pelo usuário, contendo nome do advogado e das partes, identificação dos arquivos enviados e a data e hora da transmissão da petição.
A certificação digital ou identidade digital pode ser adquirida por qualquer pessoa, advogado ou sociedade diretamente de uma das Autoridades Certificadoras (Acs) que integram a chamada Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileiras (ICP-Brasil). Em São Paulo, os advogados podem habilitar-se à obtenção do certificado na Associação dos Advogados de São Paulo (www.aasp.org.br). Para melhores informações, consultar a regulamentação do uso eletrônico: pelo STF, Resolução n. 344/2007, no site www.stf.gov.br; pelo STJ, Resolução n. 2, de 24/4/2007, no site www.stj.gov.br.
Ver, também, o texto dessas resoluções no site www.aasp.org.br, ou no Bol. AASP n. 2528.
Ainda, vale a notícia de que o Tribunal de Justiça de São Paulo ingressa na era virtual com a criação do “Juizado Virtual”, para processamento de  pedidos consensuais ou litigiosos de competência dos Juizados Especiais Cíveis da Capital.
Veja o Provimento n. 1.300/2007, do Conselho Superior da Magistratura, no mesmo site da AASP, ou no Boletim citado, bem como em www.tj.sp.gov.br.