Causos do judiciário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest

Causos judiciáriosCoisas da língua

Dr. Cláudio Antônio S. Levada

Juiz do 2º Trib. Alçada Civil

Essa história foi contada pelo Paulo Aranha, grande (fisicamente) e eficiente Oficial de Justiça da Comarca de Jundiaí, além de amigo pessoal dos mais leais, fraternal mesmo.

A veracidade ou não, deve ser cobrada dele, portanto, aviso o caro leitor. Lá vai.

O japonês, sempre desconfiado, achava que o Advogado o estava enganando, pois seu processo de inventário não terminava e ele achava que já era para ter acabado tudo.

Resolveu então ir ao cartório ver pessoalmente seu processo e pediu pelo inventário de seu pai ao serventuário. Ao voltar com a informação, o cartorário avisou que não se tratava de inventário e sim de arrolamento (que é um tipo mais simples de inventário, como sabemos).

O japonês ouviu aquela palavra e disse que, “de jeito nenhum”, ía admitir “enrolamento”, pois já estava cansado de ser enrolado pelo Advogado. Foi preciso muita lábia do cartorário para explicar que ninguém estava querendo enganar o japonês…

Outra do Paulo Aranha é de um devedor de ICM que foi ver seu processo no cartório e o escrevente explicou que o processo “estava na Fazenda” (ou seja, na Fazenda Pública, para alguma manifestação em favor do Fisco). Passada uma semana, o devedor voltou ao cartório e perguntou “se o processo já havia voltado do sítio”, mostrando o quanto a nossa língua nos engana nos seus múltiplos significados, principalmente quando os termos são técnico-jurídicos.

Para terminar, ouvi do prezado Sulaiman (Juiz da 5º Vara Cível de Jundiaí) que tempos atrás a mãe de um réu apareceu, preocupada, pois o filho não tinha pago um financiamento de veículo e o banco pediu a apreensão do carro. Até aí ela concordava, já que o filho não tinha pago mesmo; mas o que ela tinha ído se queixar era que o Oficial de Justiça disse que o juiz tinha determinado uma ordem para “eliminar” seu filho – quando, na verdade o que o juiz tinha determinado era uma liminar contra o caloteiro. Não foi fácil explicar para a mãe que o juiz não tinha mandado matar o fedelho.

Coisas que misturam a riqueza da língua com a ignorância de nosso aguerrido, mas inculto povo.