Agora é súmula: bem de família abrange imóvel de pessoa solteira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest

Bens de famíliaO Superior  Tribunal de Justiça editou a Súmula 364, do seguinte teor:
“O conceito de impenhorabilidade de bem de família abrange também o imóvel pertencente a pessoas solteiras, separadas e viúvas”
Geralmente se entende como entidade familiar o agrupamento formado por um casal, com ou sem filhos. Mas bem pode ocorrer que alguém, por mudança de seu estado civil ou por preferir a vida celibatária, resida sozinha em seu imóvel. Nem por isso perde a qualidade de uma pessoa humana integrada em comunidade familiar, conquanto seus parentes residem em outro local.
Trata-se de proteção à “família unipessoal”, em resguardo ao seu sagrado direito de moradia. O preceito advém da  Lei n. 8.009 de 1990, que torna impenhorável o  imóvel residencial do casal ou unidade familiar, com relação a dívidas pessoais. São excepcionadas apenas algumas espécies de dívidas, como aqueles referentes ao próprio imóvel (iptu, taxas, condomínio), alimentos, fiança e trabalhadores da casa.
O projeto que deu origem à nova súmula foi relatado pela ministra Eliana Calmon e teve como precedentes os julgamentos nos Recursos Especiais (Resp) 139.012, 450.989, 57.606 e 159.851, consagrando a interpretação extensiva da entidade familiar.
Em suma, a lei protege a unidade residencial da família como conseqüência do direito à moradia que a própria Constituição Federal assegura a toda pessoa humana, viva ela em companhia de outrem ou sozinha, pois em qualquer circunstância continua a merecer integral proteção do Estado.

Euclides de Oliveira